CAPÍTULO

2

A BUSCA

ROMEO

Não acreditei no que vi. Meu irmão Roger com uma faca nada normal. Havia ouvido um barulho estranho vindo do quarto dele! Quando saí do meu quarto, eu o vi através da porta entreaberta do seu, fazendo uns movimentos estranhos com aquela arma. Saiu um forte ar gelado do quarto dele, como se o ar-condicionado estivesse ligado a 32°F, o que fez a porta bater. Minha vontade era entrar e saber o que estava acontecendo, mas não tive coragem.

No começo, quando vim morar com Roger e o papai, eu ainda estava meio assustado e ao mesmo tempo feliz por saber que tinha uma família. Depois que descobri isso, sempre me vinha a pergunta de como fui parar no orfanato e perguntava ao nosso pai, mas ele também não sabia responder. Papai nunca imaginara que tivera filhos gêmeos. As respostas eram poucas e a única coisa que ele me dizia era que a mamãe havia morrido no parto.

Voltei para meu quarto e fiquei por um tempo imaginando mil coisas. Ouvi meu irmão saindo do seu. Mas o que eu deveria ter feito? Ir até lá para saber o que ele estava planejando? Ele já não falava comigo e não falaria de jeito nenhum depois da briga que tivemos ontem. Aquela havia sido a pior de todas as brigas que já tivemos. Nunca pensei que chegaria a esse ponto com meu irmão, mas a raiva foi maior com o que ele fez e sempre faz com Desirée.

Depois de muito pensar, cheguei à conclusão de que não deixaria Roger se meter em encrencas. Apesar de não ter nada em comum com ele, no fundo gostaria somente de ser aceito do jeito que sou. Eu deveria deixar as brigas de lado e ir lá falar com ele.

Saí do meu quarto e o procurei pela casa, mas ele não estava. Vi seu bilhete na geladeira que dizia:

 

Fui à New York para a casa do vovô Charles. Estarei de volta no fim de semana.

 

Roger

 

— O que ele foi fazer na casa do vovô? O que está planejando?

Ele quase não se comunicava com a gente, muito menos nos convidava para visitá-lo. Vovô gostava de ficar sozinho e detestava ser incomodado.

Saí correndo para tentar alcançá-lo, abri a porta de casa e:

— Desirée?!

— Oi, Romeo. O Roger está aí?

— Não, ele saiu. Ele foi para casa do nosso avô em New York.

Desirée começou a chorar. Sem saber o que fazer, entrei com ela e lhe ofereci um copo d’água.

— Fui muito dura com ele. Por isso que ele foi embora.

— Para com isso, Desirée!

— Ele saiu e só me mandou uma mensagem. Nem se despediu pessoalmente de mim.

— Você se importa de eu ver a mensagem?

— Claro que não, pegue.

Peguei o DS-Tab Phone de 6” dela. Por um segundo me distrai com a super tela fina de 8k. DS-Tab (Direct Screen-Tablet) era uma tela que recebia sinal de vídeo entre outros da sua Central Smart Box (CSB) por meio da conexão sem fio Wi-Div (Wireless- Direct Instant Video) em até trezentos metros ou on-line via Wi-Fi ou 6G. CSB era uma pequena caixinha que guardava todo hardware de processamento, armazenamento, alguns sensores e conexões. Foi uma ideia genial e um tanto contraditória que mudou o mercado de telefonia e computação móvel. Você tinha na sua CSB todo o hardware e software que se mantinham mais seguro em um único lugar e só andaria em mão com os DS-Tabs que existiam de vários tipos e tamanhos que variavam de 3’’ a 410’’. Se quebrasse um era só comprar outro que nada dos seus dados e sistemas seriam perdidos. Muitos tinham mais de um DS-Tab para diversos tipos de ocasiões. Uns específicos para leitura, outros para jogos ou edições de vídeo. Era possível conectar vários DS-Tabs simultaneamente a uma única CSB. A vida ficou muito mais prática com isso e não precisava trocar de aparelho constantemente como era antigamente no tempo dos smartphones. Isso tudo me fascinava.

Me voltei à situação e comecei a ler a mensagem:

 

Meu anjo, algo de estranho está acontecendo comigo. Preciso encontrar respostas. Estou indo pra NY. Não sei se volto. Te amo e feliz aniversário.

[3:15 PM]

 

— Aquele maluco! — pensei.

Fui até a geladeira disfarçadamente para pegar mais água e tirei o recado que Roger colocou na porta para não piorar ainda mais as coisas.

— Não chore mais, Desirée. Ele está fazendo tudo isso para poder te dar o melhor.

— Será?

— Acredite nele. E mais uma coisa. Feliz aniversário! Não vamos deixar esse dia passar despercebido. Vamos sair para comer alguma coisa.

— Acho melhor não, Romeo. Não estou nos meus melhores dias.

— Anime-se! Vamos?

— Não sei.

Com muito esforço, eu a convenci. Não poderia deixar seu aniversário ser um péssimo dia. Me arrumei e passamos em sua casa para que ela pudesse se arrumar também. Parecia que havia ficado horas esperando na porta da casa dela, mas cada segundo de espera valeu a pena, pois ela estava linda. Seu momento de arrumação só fez realçar ainda mais sua beleza.

Estendi o braço para ela e saímos, mas ainda muito preocupado com Roger, pois já estava anoitecendo.

Pedi uma condução pelo aplicativo, que por sinal chegou bem rápido. O transporte rápido nos levou até um restaurante, não muito chique, mas com uma ótima comida. Sentamos numa mesa no segundo andar que nos dava uma visão para rua. O pedido era feito numa mesa interativa que mostrava o cardápio e em alguns dos casos dava para se ver o processo de preparo da refeição ao vivo. Havia até uma conta de streaming de vídeos que poderia ser acessada gratuitamente caso quisesse acompanhar sua série preferida enquanto degustava a saborosa comida do restaurante. Discretamente peguei meu DS-Tab Phone de 5.2, invadi a rede do restaurante e com uma pequena manobra consegui o contato do gerente que estava no balcão mexendo no seu DS-Tab Work. Mandei uma mensagem para ele.

 

Desculpe-me o incômodo, mas seria possível no final da nossa refeição nos trazer um bolo? Mesa 16. É aniversário da senhorita que me acompanha e queria lhe fazer uma surpresa. Obrigado.

[6:42 PM]

 

O gerente olhou para mim assustado. Achei que ele iria chamar a polícia por causa da minha atitude de invadir a rede privada do estabelecimento sem autorização e com isso, imediatamente mandei outra mensagem notificando-o sobre as falhas de segurança do sistema deles. O gerente voltou a me olhar com uma cara de desconfiado, mas confirmou por mensagem que atenderia ao meu pedido.

Em pouco tempo foi chegando o que pedimos e começamos a comer. Observei que conforme Desirée comia a tristeza em seu rosto começava a sumir. Queria poder dizer tudo o que tinha visto sobre Roger, mas nem eu compreendia o que estava acontecendo.

— Romeo?

— Fala, Desirée.

— Nunca entendi o porquê de você e seu irmão não se falarem. Ele te acha um garoto muito misterioso, mesmo sendo irmão gêmeo dele.

Não sabia o que responder para ela. Eu também não sabia o real motivo de não nos falarmos. Sempre tivemos nossas brigas. Achava ele um exibido cheio de amigos. Talvez tudo fosse simplesmente ciúmes por eu não ter tido tudo que ele teve antes.

— Na verdade, Desirée, eu também não sei. Deve ser pelo fato de eu ser muito tímido e não estar acostumado a ter um irmão gêmeo.

— Mas comigo você não é tímido. É gentil e atencioso. E também sempre aparece quando eu mais preciso.

Fiquei sem palavras pelo que ela disse sobre mim. Dei um sorriso e continuei comendo.

Segundos se passaram no silêncio e logo Desirée disse:

— Me fale sobre você. Já nos conhecemos há um tempo e não sei quase nada sobre você. O que fazia antes de ir morar com seu irmão? Pelo que eu sei você veio de um orfanato.

Mais uma vez não sabia o que dizer. Não tinha muitas lembranças boas até sair do orfanato.

— Eu não tenho muita coisa para dizer sobre mim. Só posso dizer que foram tempos difíceis e solitários no orfanato.

— Hum! Então ok! A comida está ótima! — disse Desirée, tentando mudar de assunto.

Senti que ela não quis ir mais a fundo sobre meu passado, que por um lado foi tranquilizador para mim, pois não me sentia confortável em falar sobre a solidão que passei naquele lugar.

No fim da refeição, que estava maravilhosa, percebi que Desirée olhava toda hora para seu Tab P como se estivesse aguardando uma resposta de alguém. De longe vi o garçom acenando para mim. Ele queria saber se já poderia levar o bolo. Olhei para ele e acenei com a cabeça dizendo que sim. Desirée olhou para mim e perguntou:

— O que foi, Romeo?

— Nada, Desirée.

Eu dei uma risada. Ela olhou para trás e antes que percebesse, o garçom se escondeu. Logo em seguida, ele bem devagar trouxe um bolo cheio de velinhas e começou a cantar…

— Parabéns para você…

A feição de vergonha e ao mesmo tempo de felicidade dominava seu lindo rosto. Ela olhou para mim:

— Você é maluco, mas obrigada!

O garçom colocou o bolo sobre a mesa e Desirée apagou as velinhas. Ela agradeceu e nós saboreamos o delicioso bolo de chocolate.

— Não sei o que dizer, Romeo!

— É o seu dia, aproveite!

— Obrigada, você é mesmo fantástico!

Ficamos mais alguns minutos. Agradeci ao garçom com uma boa gorjeta, transferindo direto para conta dele. Ao invadir o sistema, eu havia conseguido todos os dados dos funcionários.

Na recepção, cumprimentei o gerente e ofereci um serviço de graça para melhorar o sistema da mesa de pedidos e interatividade.

Após sairmos do restaurante, fomos caminhar e aproveitei esse tempo para conversarmos um pouco. Passados uns minutos pedi um transporte rápido que nos levaria para casa.

Chegando à porta da casa de Desirée, dispensei o motorista, pois eu não morava tão longe dela.

Ao nos despedirmos, Desirée aproximou-se de mim, me dando um abraço e agradecendo o que eu havia feito nessa noite, por fim, me deu um beijo na bochecha.

Sem percebermos, os nossos rostos estavam cada vez mais próximos um do outro e num relance, nos fez voltar a realidade. Desirée começou a chorar.

— Me desculpe, Romeo! E mais uma vez, obrigada. Boa noite!

— Boa noite!

Percebi que ela estava lembrando do Roger. Eu queria lhe dizer sobre tudo que pensava, mas eu não podia culpá-la por gostar do meu irmão.

Afastamo-nos, ela se virou e entrou. Voltei para casa pensando no sofrimento de Desirée e no que o Roger poderia estar fazendo.

Cheguei em casa e fui direto para o meu quarto.

— Roger! Tenho que descobrir o que ele foi fazer na casa do vovô.

Peguei meu Tab P para fazer uma chamada de voz e falar com vovô, mas já era muito tarde e ele não gostava de ser incomodado. Eu até pensei em mandar mensagem, mas vovô não gostava dessas coisas. Na verdade, ele odiava o mundo moderno e suas tecnologias.

Fui aos contatos, selecionei o meu irmão e digitei uns emoji de carinhas com raiva e em seguida um pequeno texto que perguntava se estava tudo bem e se tinha chegado bem na casa do vovô. Olhei para a mensagem revisando o que havia acabado de escrever, mas desisti e apaguei tudo. Sem querer mandei umas carinhas com raiva para ele.

— Que merda que fiz! — pensei, aborrecido.

Ia apagar, mas deixei. Esperei uma resposta olhando fixamente para a tela e me assustei com o toque de uma nova mensagem. Pensei que era Desirée, mas quando olhei com mais atenção vi que era uma mensagem do:

— Vovô Charles!

Abri a mensagem que dizia:

 

Olá. Roger já chegou aqui. Boa noite.

[9:47 PM]

 

Como poderia? Vovô estava mandando mensagem. O que isso quer dizer? Tudo estava muito suspeito. Minha vontade era de sair naquele momento e ir até lá para saber o que realmente estava acontecendo. Ainda estava inconformado por Roger estar por aí portando uma espécie de faca estranha e agora essa do vovô, contudo estava muito cansado. Joguei o Tab P na cama e fui para o banheiro.

Depois de um bom banho e já deitado não parava de pensar nas coisas que estavam acontecendo. Meus olhos ficaram cada vez mais e mais pesados…

Crianças brincavam e eu queria brincar também. Me aproximei e elas de repente se afastaram. Era noite e estava deitado na cama com medo. Olhava para os lados e via mais camas, só que estavam vazias. Olhei para o teto e via as estrelas. Vi uma estrela cadente e fiz um pedido:

— Não me deixe sozinho!

Segui sem rumo tentando achar algo. Vi uma luz no final. Corri até ela, mas nunca alcançava o fim. Olhei para luz e vi alguém me chamando e dizendo para eu não parar. Eu corri sem parar, mas caí. A voz dizia:

— Levanta, Romeo! Cadê seu irmão?

— Hum?! Clara?

— Sim, sou eu. Cadê seu irmão? São seis da manhã ele não está na cama.

— Roger foi para casa do vovô Charles em New York e só volta no final de semana.

— Aquele garoto irresponsável! Nem para deixar um recado à moda antiga na porta da geladeira como eu sempre faço, mas vocês com essas tecnologias não querem mais escrever no papel.

— Desculpe, Clara! Mas ele deixou recado sim, eu que peguei.

— Ok! E já que te acordei, vou fazer o café da manhã.

— Está bem, Clara! Vou descer daqui a pouco.

Ainda com sono, mas com um dia longo pela frente, decidi levantar logo e fui direto tomar um banho para despertar. Desci para tomar café.

— Bom dia, Clara!

— Bom dia! Estou fazendo ovos com bacon.

— Ótimo! Vou te ajudar fazendo um suco de laranja.

Peguei umas laranjas na fruteira e preparei uma jarra de suco. Nós tomamos café e logo depois eu subi para o quarto. Clara foi fazer as tarefas de casa.

Ainda pensativo sobre o que Roger estava fazendo, eu entrei no quarto dele para ver se achava algo que pudesse esclarecer sobre seus planos e aquela arma estranha.

Entrei e olhei detalhadamente para tudo. Sob um lençol, vi o colchão cortado pela faca e o virei para o outro lado para esconder o corte, caso Clara entrasse aqui para arrumar seu quarto. Procurei por todos os lugares e quase embaixo da cama achei uma folha amassada que dizia:

 

Um presente deixado para aqueles que herdaram o poder.

 

Tentei imaginar o que isso significava. Suspeitei que poderia haver relação entre esse papel e aquele objeto que se transformou em uma arma que estava com o Roger. Isso me cheirava a encrenca.

— Preciso ir atrás dele e ajudá-lo.

Arrumei minha mochila, contudo não tinha o que falar para Clara.

Pensei em algo e desci.

— Clara, vou para casa de um amigo e só volto no final de semana.

— Vai fazer o quê na casa do seu amigo? — perguntou Clara, desconfiada.

— Vou aproveitar que já estou de férias e continuar com um projeto da escola que estamos fazendo para o último ano.

— Está bem, mas volte na sexta-feira. Seu pai estará voltando para casa. E Romeo! Vai almoçar, não? Já está quase pronto.

— Não, obrigado! Qualquer coisa entre em contato comigo. Tchau, Clara!

— Papai está voltando. Muito legal, mas ruim se eu não encontrar o Roger até lá — pensei.

Saindo de casa, eu encontrei com o Sr. Wood no portão. Ele me parou e perguntou:

— E aí, já fez as pazes com seu irmão?

Sem poder dizer a verdade eu disse:

— Sim.

— Ótimo! Irmãos devem se manter unidos. Só assim terão uma força maior.

Sem entender muito, respondi:

— Claro! E Sr. Wood, se me permite, preciso sair.

— Sim, mas só me faz um favor? Pode chamar seu irmão? Quero falar com ele.

Surpreso com a situação, pois o Sr. Wood nunca parou para falar com a gente, respondi:

— Ele não está em casa. Foi para casa do nosso avô em New York e só volta no final de semana.

— Hum! Entendo. Obrigado, Romeo!

— De nada, Sr. Wood!

Intrigado, me virei e segui caminho em busca do Roger e no terceiro passo ouço:

— Você não deveria ir atrás do seu irmão!

Assustado, parei e pensei:

— Impossível! Como será que ele sabe?

Olhei para trás e vi o Sr. Wood com um sorriso.

— Venha até minha casa e não precisa ter medo! Tenho coisas para conversar com você.

Sem opção, com muita curiosidade e assustado, fui até a casa dele.

Entrando e mexendo no meu Tab P, fui deixando preparado o acionamento à polícia, ativando minha localização. Apesar de já conhecer de vista o Sr. Wood, há um bom tempo, não podia deixar de me prevenir. Ele podia ser algum psicopata que estava nos observando faz tempo. Dentro da casa dele não parava de olhar para todos os lados. Era uma residência aconchegante e bem espaçosa.

— Espere aqui no sofá que vou trazer algo para a gente comer e beber.

Aguardei o Sr. Wood voltar e continuei olhando para todos os lados. Vi na mesa um porta-retrato antigo com uma foto dele e uns amigos fardados. Ele deveria ter sido fuzileiro naval. Apesar de parecer ter quase a mesma idade do meu pai, o seu físico parecia com o de um lutador de MMA. Dava até medo, mas quando olhava para seu rosto parecia inofensivo.

O Sr. Wood voltou da cozinha com uma jarra de suco de uva e vários aperitivos. No começo achei que era vinho, mas quando coloquei o copo na boca com a bebida, vi que realmente era suco. Havia hesitado de aceitar, mas não sei o que passou pela minha cabeça que, no fim, acabei aceitando.

— Aposto que há muitas perguntas circulando na sua cabeça? — disse o Sr. Wood.

Pensando cuidadosamente no que ia responder disse:

— Sim, realmente. O que o senhor sabe sobre Roger?

— Melhor perguntando… Sobre Roger e você? — disse Sr. Wood.

— Como assim?! O que o senhor sabe sobre nós e especialmente sobre mim? Nem sempre morei aqui.

— Sei de muitas coisas que você não precisar saber.

— Me responda!

— Acalme-se! Vou lhe esclarecer algumas coisas.

— Quero respostas!

— Você nervoso se parece com sua mãe.

— Hum?! Como assim? Conheceu minha mãe?

Essa conversa já estava começando a me deixar mais assustado do que já estava, mas curioso, perguntei:

— Como conheceu minha mãe? Me fale sobre ela. Meu pai nunca conversou comigo com detalhes a respeito dela.

— Realmente ele não falaria — disse o Sr. Wood, tirando o sorriso.

— Me fale dela.

— Não tenho muito para falar sobre sua mãe. Só posso lhe dizer que ela morreu no parto de vocês.

— Mas isso eu já sei.

— Romeo! Preste atenção no que tenho para lhe dizer. O que está acontecendo com o seu irmão realmente é uma coisa incrível e perigosa, mas ele tem que encontrar as respostas sozinho. Confie nele. Ele voltará para casa em segurança.

— Mas, Sr. Wood…

— Apenas confie nele. Vai dar tudo certo. Agora volte para casa e prossiga com suas tarefas.

Ainda assustado e surpreso com as revelações do Sr. Wood, decidi confiar no que ele disse, pois apesar de tudo, me sentia no fundo mais confortável por saber que outra pessoa sabia sobre o que o Roger estava passando e se preocupando com isso.

— Absurdo! O que eu estou dizendo para mim mesmo? Como posso confiar num homem que antes nunca havia falado comigo? Que segredos ele esconde? Como ele sabe que o Roger anda fazendo? Preciso de respostas! Vou atrás do meu irmão! — pensei, revoltado.

O Sr. Wood se levantou e eu o acompanhei até a porta, mas antes de sair, perguntei:

— O que o senhor sabe sobre aquela arma que está com meu…

— Vá, Romeo. Não se preocupe. Apenas confie.

— Tá ok, Sr. Wood. Obrigado e até mais!

Saí e segui de volta para casa quando o Sr. Wood disse:

— Romeo! Só mais uma coisa. Pode me chamar de Rougan.

— Esse é seu primeiro nome? Rougan. Rougan Wood.

— Isso, Romeo, e não se esqueça: confie e boa tarde!

Em pensamento respondi:

— Confiar? Em quem? Nele ou no meu irmão? Com certeza não é nele.

Fiquei sentado, na praça perto de casa, por horas pensando em mil coisas. Tomei uma decisão.

Disposto a ir atrás do Roger, segui caminho. Passei pela minha casa, mas de repente ouvi um alerta de mensagem. Peguei meu Tab P e vi uma mensagem do meu irmão.

— Como pode?! Ele nunca me mandou mensagem — pensei, confuso.

Abri e para minha surpresa:

 

Está tudo bem. Logo mais entraremos em contato.

[5:31 PM]

 

Fiquei mais surpreso.

— Roger?! Será que está tudo bem mesmo?

Queria ligar ou responder à mensagem, mas não sabia o que dizer?

Parado por quase dois minutos pensativo, decidi confiar no meu irmão e ver que rumo as coisas tomariam. Já era fim de tarde e voltei para casa.

Nossa!

Como o tempo passou rápido. Mais uma quarta-feira foi embora e nem percebi. Entrei e lá estava Clara preparando algo para ela comer.

— O que houve, Romeo? Você não ia ficar na casa do seu amigo?

Não me agradava mentir, mas respondi:

— Meu amigo teve que ir para casa da sua avó com os pais.

— Hum! Que pena! Então vou preparar algo especial para você.

— Obrigado, Clara! Vou subir, tomar um banho e já desço.

Fui até o meu quarto, peguei umas roupas limpas e fui tomar banho. No chuveiro, ainda muito pensativo com tudo que o Sr. Wood havia me dito e no que o Roger poderia estar fazendo, acabei demorando muito no banho. Me vesti e desci.

— O que houve, Romeo? Por que está com essa cara de triste?

— Nada, só estou cansado. Me esculpe pela demora.

— Que nada. Coma e vá descansar.

— Obrigado, Clara!

Terminei e subi para o meu quarto. Me deitei ainda muito pensativo e o que mais me incomodava era o fato do Sr. Wood ter mencionado a mamãe.

Muitas perguntas embaralhavam minha mente e nada se encaixava. Fiquei pensando em como ia vasculhar a vida do Sr. Wood e descobrir alguma coisa que respondesse minhas perguntas, mas por um instante quase todo meu pensamento se apagou e a única coisa que minha mente passou a processar foi Desirée.

— Como será que ela está? — pensei alto.

Com o pensamento nela, meus olhos começaram a  se   fechar      e…

0,0
Rated 0,0 out of 5
0,0 out of 5 stars (based on 0 reviews)
Excelente0%
Muito bom0%
Média0%
Ruim0%
Muito ruim0%

There are no reviews yet. Be the first one to write one.

CAPÍTULOS