NAIRIN | CAPÍTULO 10 - LeandroVSilva® | VIP


CAPÍTULO

10

DADOS PERDIDOS

— Ai! Não estou enxergando — disse Lillillah.

— Você estão bem? — perguntou Mortrazha, sentindo dor.

— Onde vocês estão? — perguntou Maigriyah, assustada.

Ela tentou pegar algo na bolsa que sempre carregava para tentar iluminar o local, mas antes que achasse uma luz acendeu.

— O que nos empurrou? Afinal, o que aconteceu até agora? Estávamos na USaM e não me lembro como saí de lá — disse Drihee com o Ikihatsunukishi ativado.

— Não faz diferença! Você não se lembra de nada mesmo — disse Lillillah com sarcasmo.

Drihee direcionou um olhar chateado para ela. Quando Lillillah ia explicar pacientemente o que havia acontecido foi interrompida por Maigriyah.

— O que é isso? — perguntou ela se aproximando de algo que parecia uma porta feita de uma metal super resistente.

— O que será que tem do outro lado? — questionou Mortrazha, surpreso.

— Acho que posso derreter — disse Drihee, tentando se mostrar útil.

— NÃO! Vai aquecer o metal e aumentar a temperatura por aqui e nos cozinhar, sem contar que vai consumir o oxigênio que parece pouco e nos sufocar antes mesmo de nos fritar — disse Maigriyah.

Algo desceu a rampa.

— AHHH! — gritou Lillillah ativando o Ikihatsunukishi. — Cão inútil! O que faz aqui?

— Acho que foi ele que nos derrubou! — disse Mortrazha, olhando para o animal, desconfiado.

O cão Krittibrayah caminhou até umas pedras ao lado da porta de metal e atrás tinha algo. O animal apontou para essa direção e Maigriyah foi até ele para verificar o que era.

— Interessante! Deve ser por aqui que abrimos a porta — disse ela, pegando logo em seguida um objeto em sua bolsa.

Todos se aproximaram e ficaram observando Maigriyah tentando acessar um dispositivo.

— O que está fazendo? — perguntou Lillillah, curiosa.

— Estou tentando abrir a porta. Só pode ser por aqui…

De repente eles ouviram um estrondo e logo em seguida a porta se abriu. Luzes de dentro da porta acenderam e por um pequeno intervalo de tempo a claridade os cegou.

Quando eles voltaram a enxergar, depararam-se com um lugar amplo que parecia…

— A biblioteca perdida! — disse Maigriyah, surpresa.

Eles entraram cautelosamente. Era uma biblioteca cheia de dispositivos antigos que armazenavam dados. Maigriyah foi até uma pilha deles que estava sobre uma mesa e quando pegou um, o mesmo esfarelou em sua mão.

— Nãooo! Devia ter uma raridade de dados armazenado — disse Maigriyah, desapontada.

— Essas coisas devem ter centenas de anos — disse Mortrazha, pensativo.

Maigriyah ficou analisando o local e viu um dispositivo de processamento que estava conectado à uma central de dados. Ela o alimentou com a energia do seu dispositivo de análise de dados portátil e conseguiu por um instante ligar o mesmo e ter acesso às informações. 

Era um padrão de dados muito antigo e pareciam corrompidos. Ela, com a esperança de poder recuperar os dados, começou a fazer uma cópia. Era muita informação e devido à ultrapassada tecnologia que os armazenava, ia demorar muito para fazer a cópia.

— Vocês estão com pressa? Estou fazendo uma cópia dos dados e deve demorar um pouco — disse Maigriyah, afoita com o que poderia descobrir.

— Esse local está mais para uma fortaleza do que para uma biblioteca — comentou Mortrazha, analisando minuciosamente o ambiente.

Computador! — disse Drihee.

— Hã? O que é isso? — perguntou Lillillah.

— Não sei. Estou tentando lembrar, mas não consigo — disse Drihee, confuso.

Lillillah o encarou tentando imaginar o que se passava na cabeça dele. Eles desativaram os Ikihatsunukishi e ela aproveitou para explicar o que havia acontecido desde quando ele apagou na USaM. Depois de um tempo.

— Não! Não! Nãooo! — disse Maigriyah.

Todos os dispositivos de dados e processamento entraram em curto. Por um pequeno intervalo de tempo, Maigriyah conseguiu desconectar o seu dispositivo portátil e evitar que o mesmo fosse danificado.

— Não sou uma menina de sorte — disse Maigriyah, desapontada. 

— O que houve? Achei que tudo ia pegar fogo — questionou Mortrazha, preocupado.

— Não sei! Acho que muita informação foi perdida, mas vou tentar restaurar o que consegui copiar. Vou enviar alguns dados para meu pai me ajudar na recuperação e análise.

Maigriyah tentava entrar em contato com o pai, mas não obtinha resposta.

— Por que não consigo? Estranho! Será que o sinal não está chegando? — questionou ela.

Maigriyah verificou se algo impedia o comunicador dela de entrar em contato com o pai, mas o sinal estava chegando.

— Será que aconteceu algo com ele? Preciso…

— O que houve? Para onde vai? — perguntou Lillillah.

— Precisamos sair daqui. Aqui não conseguirei restaurar os dados completamente — disse Maigriyah, agitada.

— Como sairemos daqui? — questionou Mortrazha.

Maigriyah demorou a responder e ficou analisando o local.

— Como sairemos? — perguntou Lillillah, desconfiada.

— Acho que por aqui — disse Maigriyah, mexendo em um dispositivo que parecia controlar uma porta de saída de emergência. — Que sorte! Está com energia. 

Uma pequena porta se abriu e deu acesso a uma escada em espiral. 

— Vamos! Vamos subir e sair daqui!

Mortrazha se aproximou e olhou para o alto.

— Não tem saída.

— Analisei o mapa da saída de emergência. Logo acima tem um bloqueio de acesso, mas é fácil abrir. Conforme subirmos, vamos passar por mais três bloqueios. Vamos! — disse Maigriyah, nervosa.

Lillillah foi logo atrás de Mortrazha. Quando Drihee ia entrar também o cão Krittibrayah avançou nele. Ele correu para o lado e ativou o seu Ikihatsunukishi. O animal pulou em cima do garoto e o derrubou. Drihee se defendia de ser mordido colocando na boca do cão Krittibrayah a barra da sua lança. Lillillah voltou, ativou o dela e atacou o animal. O cão Krittibrayah foi perfurado e se afastou. O mesmo sofreu uma transformação para uma criatura bípede.

 Antes dela se transformar por completo, Drihee com raiva, lançou uma rajada de fogo e a incinerou.

Depois do ataque, só restara um pequeno cristal alaranjado, que logo em seguida virou pó. Lillillah e Drihee trocaram olhares, preocupados.

— O que foi isso? — perguntou Mortrazha, assustado.

— Nada! Vamos! — disse Lillillah, olhando para todos os lados.

— Como nada? Por que aquele cão atacou? — questionou Mortrazha, confuso.

— Não tenho certeza, mas aquilo não parecia ser o que era — comentou Drihee, pensativo.

— Como assim? — questionou Mortrazha.

— O que estão esperando? Por que não subiram? Já liberei o primeiro bloqueio — disse Maigriyah.

Todos olharam para ela ao mesmo tempo. Lillillah e Drihee desativaram seus Ikihatsunukishi.

— Por que essa expressão? Aconteceu alguma coisa?

— Aquele cão Krittibrayah! Ele atacou Drihee, mas já nos livramos deles — disse Lillillah, caminhando até as escadas. — Vamos!

— Compreendo! Até achei estranho ele ser dócil no início. Geralmente são ariscos com desconhecidos. Parecia que ele já foi treinado por alguém — disse Maigriyah, subindo.

Lillillah e o meninos trocaram olhares, confusos. Mortrazha ia questionar algo, mas hesitou. Maigriyah foi liberando os bloqueios sem dificuldade e eles saíram em um local de ruínas próximo de onde eles escorregaram.

— Cuidado, abaixem-se! — disse Mortrazha.

Ele avistou um robô drone analisando o local por onde eles entraram. O mesmo identificou a presença deles e se deslocou em alta velocidade em suas direções. Lillillah ativou novamente seu Ikihatsunukishi e esperou o robô drone chegar mais perto para atacar. Drihee também ativou o dele e ficou a postos.

— ESPEREEEEE! — gritou Maigriyah indo para a frente de Lillillah.

— SAIA DA FRENTE! — gritou Lillillah, irritada.

— É ADRITIFF! — gritou Maigriyah, olhando com raiva para Lillillah.

O robô drone se aproximou e disse:

— Que bom que encontrei vocês a tempo! Primeiro, Mortrazha entrou para lista de procurados da CENTRAL e eles estão vindo para capturá-lo. Vocês não têm muito tempo! Ele foi considerado um desertor da sua TERRA e eles pediram apoio à TERRA CENTRAL para pegá-lo.

— Como desertor? Eu solicitei afastamento temporário e foi deferido. O que está acontecendo? — questionou Mortrazha, preocupado.

— Estou tentando identificar o que aconteceu, mas acredito que descobriram sobre Ikihatsunukishisen ativos andando por aí. Acho que eles descobriram vocês — disse Adritiff pelo robô drone.

Lillillah e Drihee trocaram olhares, preocupados.

— O que faremos? Como fugiremos da CENTRAL? — perguntou Lillillah.

— Cadê Maigriyah? — questionou Drihee.

Ele olhou para trás e a viu correndo em direção ao local em que eles foram empurrados na rampa.

— O que ela está fazendo? — perguntou Lillillah, irritada.

— Eles estão chegando! Peguem a USaM e fujam.

— Não temos mais a USaM — disse Lillillah, desapontada.

— O quê? Como? O que houve com a USaM? Sem ela vocês não têm como escapar! — observou Adritiff.

Quando Lillillah ia explicar, Mortrazha a interrompeu.

— Não temos alternativas. Vão! Eu me viro e me explico com a CENTRAL. Em uma outra oportunidade nos encontraremos e continuo ajudando-os na busca.

— Não, não, não! Você vem com a gente — disse Lillillah.

— Ele está certo! Vocês não têm alternativas — disse Adritiff.

— O que ela está fazendo? Para onde está indo? — questionou Lillillah não acreditando no que estava vendo.

Maigriyah estava indo embora com a moto de levitação do Bilbroowh.

— Traidora! Ela vai ver quando eu encontrá-la! — disse Lillillah, furiosa.

Mortrazha ficou muito decepcionado com Maigriyah e por um instante tinha esquecido da situação em que estava.

— O tempo está acabando! — disse Adritiff, com a voz aflita.

— VÃOOOO! AGORAAAA! — gritou Mortrazha irritado, voltando à situação.

— Drihee se assustou. Lillillah vendo que não tinha alternativas e para evitar que os Ikihatsunukishi caíssem em mãos erradas, se aproximou de Mortrazha, pegou em sua mão e olhou nos olhos dele.

— Espero que fique tudo bem!

Mortrazha sorriu. Drihee se aproximou dele e o abraçou.

— Boa sorte, meu amigo — disse Drihee que logo em seguida se afastou.

Mortrazha ficou surpreso com o comportamento do garoto, mas retribuiu com outro sorriso.

— Venham comigo — disse Adritiff pelo robô drone e guiando o mesmo para uma outra ruína de um edifício.

Eles se esconderam e ficaram observando Mortrazha.

— Fiquem parados. Vou camuflá-los da detecção de presença — disse Adritiff.

— Não acredito que ela nos traiu — resmungou Lillillah, revoltada.

— Ela deve ter tido seu motivo — disse Drihee.

Adritiff ia fazer um comentário, mas hesitou.

— Isso é inadmissível! Ela devia…

Lillillah parou de falar, depois que viu drones da TERRA CENTRAL chegando. Começaram a desembarcar Mitarcopx (Militares da Força Auxiliar da TERRA CENTRAL) e abordaram Mortrazha. Ele foi detido e conduzido até o maior dos drones que chegou. Os Mitarcopx  pareciam discutir algo.

— Eles vão nos achar — disse Lillillah, nervosa.

— É só não se mexerem. O meu robô drone está bloqueando o sinal de rastreamento deles — disse Adritiff.

Depois de pouco tempo os Mitarcopx foram embora. Eles esperaram mais um pouco, até acharem que  o local estava seguro, para saírem.

— O que faremos agora? — perguntou Drihee.

— O que faremos, Adritiff? — perguntou Lillillah.

— Algo–o-o es—tá erra—do! Tem al—guém…

— Adritiff? Adritff? — chamou Lillillah.

O robô drone desligou.

— O que será que houve? — questionou Lillillah.

Sem que eles percebessem, foram cercados pelos Hankyaters.

— Se ativarem os Ikihatsunukishi serão neutralizados. Joguem eles no chão e coloque as mãos na cabeça — ordenou o Hankyater líder da equipe.

Lillillah e Drihee, sem alternativas, renderam-se e jogaram seus Ikihatsunukishi aos pés do líder. Eles foram conduzidos até o drone dos Hankyaters. O líder se afastou dos demais e entrou em contato com alguém.

— Parte do plano falhou, mas estou com os outros dois. Estou seguindo para o local orientado.

— Sim! No aguardo! Discutiremos depois sobre os demais.

— Afirmativo.

O Hankyater líder voltou a se aproximar do grupo e todos seguiram para o drone deles. Quando estavam chegando, perceberam que tinha um grupo apontando armas para eles. Um, que parecia ser o líder deste grupo, aproximou-se apontando sua arma para o líder do grupo que capturou os Ikihatsunukishisen e ordenou:

— Todos parados! 

— O que vocês fazem aqui? O que o grupo Hankyater HKY17VH faz nessa TERRA? Vocês não atuam nessa área — falou o líder Hankyater que capturou Lillillah e Drihee.

— Recebemos ordens para interceptá-los, Grupo Hankyater HKY14VR. 

— De onde partiu essa ordem? Por qual motivo?

— Foi identificado um espião nesse grupo. Todos larguem suas armas ou vamos atirar para matar.

4.6
Rated 4.6 out of 5
4.6 out of 5 stars (based on 11 reviews)
Excelente64%
Muito bom36%
Média0%
Ruim0%
Muito ruim0%

Bom Ate

Rated 4 out of 5
18 de agosto de 2020

Ate o Momento esta bem legal nao tenho costume de ler mas este esta me mantendo

Marcelo

Fácil

Rated 4 out of 5
16 de agosto de 2020

Muito fácil de ler e entender

Eudimar

Muito bom

Rated 4 out of 5
16 de agosto de 2020

Até aqui emocionante e curioso

Carlos Ivan Gomes

Ótimo

Rated 5 out of 5
16 de agosto de 2020

Parece ser uma história muito boa.

Antonio

Muito bom

Rated 4 out of 5
15 de agosto de 2020

Estou gostando, é bastante empolgante.

Emmanuel