CAPÍTULO

8

INIMIGO OCULTO

Era noite, mas as duas luas de Nairin, que estavam lado a lado, iluminavam o caminho deles.

— Lillillah, você não ia até o local onde encontrou seu Ikihatsunukishi? — questionou Mortrazha. 

— Exatamente! Vocês precisam ir até lá para saber o que houve com a filha de Mistrunihik — disse Adritiff, através do robô drone Yu.

— São tantas coisas estranhas acontecendo que havia me esquecido. Sim, vamos desviar o caminho e ir até a filha de Mistrunihik.

— Mistrunihik? — perguntou Maigriyah.

— Sim, o que me entregou o Ikihatsunukishi. Ele me deu um cristal que parecia estar na forma bruta e quando o toquei ele se transformou numa esfera e logo em seguida na arma que parece uma lança de combate. Depois disso o Ikihatsunukishi voltou a ser uma esfera e está assim até agora — disse Lillillah, olhando para seu Ikihatsunukishi em forma de uma esfera de cristal.

— Interessante e ao mesmo tempo confuso — disse Maigriyah.

Mortrazha deu um soco em uma pequena mesa ao seu lado. Todos se assustaram.

— O que houve? — perguntou Drihee.

Lillillah percebeu que Mortrazha a olhava, com raiva. Ela desviou o olhar dele. Maigriyah olhou para Drihee e perguntou, por gestos, o que estava acontecendo. Ele levantou os ombros, respondendo que não sabia. Maigriyah não entendeu o movimento.

— Por que mentiu para mim? Achei que podia confiar em vocês — disse Mortrazha, irritado.

Lillillah se tocou que, o que ela acabara de dizer, sobre ter conseguido o Ikihatsunukishi na casa de Mistrunihik, entrava em conflito com o que ela tinha dito para ele. Que havia encontrado o Ikihatsunukishi à beira de um rio.

Ela o ignorou, sentindo-se envergonhada.

— Vai fingir que não me ouviu? Diga-me, por quê? Por que mentiu?

— Desculpe-me, mas naquele momento em que conversamos, ainda não tinha certeza das suas reais intenções. Você já viu o que enfrentamos e o que possivelmente deveremos enfrentar. Temos que ter o máximo de cautela — disse Lillillah, sem olhar para ninguém.

Mortrazha permaneceu em silêncio e pensativo. Ele compreendeu, em partes, que Lillillah estava certa em ter cautela.

— Podem contar comigo! Estou com vocês nessa e espero poder contar com vocês — disse Mortrazha de cabeça baixa.

Uma mão foi estendida para ele. Mortrazha viu que era Drihee.

— Pode contar comigo também — disse Drihee, esperando que o amigo apertasse sua mão em cumprimento.

Mortrazha não compreendeu o gesto, mas por algum instinto, apertou a mão de Drihee. Ele balançou a mão de Mortrazha e sorriu.

— Vocês são estranhos — disse Maigriyah. — Vou descansar. Aqui, nessa USaM, não há muito espaço. Será que haverá lugar para todos descansarem?

Lillillah demorou a responder.

— Tem duas camas por levitação para os pacientes e uma de descanso para mim. Tem acolchoado, mas terá que ficar no chão.

— Eu fico no acolchoado — disse Mortrazha.

— Tudo bem! Vou descansar. Precisando me chamem — disse Maigriyah, indo se preparar para dormir.

Yu se aproximou cautelosamente de Lillillah e falou baixo:

— Vou indo. Estou acompanhando daqui e, se precisar, entre em contato imediatamente. Estou perto de conseguir uma resposta sobre o objeto que você deixou comigo. Mantenho você informada. Até.

O  robô drone foi para um canto e entrou em modo de repouso.

— Vou comer alguma coisa e descansar também — disse Drihee, indo até uma cama por levitação.

Mortrazha se aproximou de Lillillah.

— Desculpe-me pela grosseria. Só quero que compreenda que pode confiar em mim.

— Tudo bem, eu que peço desculpas pela minha cautela excessiva — disse Lillillah sem olhar para ele.

Mortrazha estendeu a mão para ela, esperando o mesmo comprimento que fez com Drihee. Ela sem entender, estendeu a sua.

— Esse comportamento é estranho — disse Mortrazha, sorrindo.

— Sim! Isso é coisa do Drihee. Queria saber de onde ele veio.

— Vamos descobrir todas as respostas. Só temos que confiar um no outro.

Lillillah olhou nos olhos dele e sorriu. Mortrazha foi descansar e Lillillah ficou acordada até chegar ao ponto no meio da viagem. A coordenada segura indicada por Hirahtray. A partir deste ponto eles desviariam do caminho para irem até a filha de Mistrunihik.

 Assim que chegaram ao local seguro, ela foi descansar.

 

***

 

— Já amanheceu! Acorde! — disse Lillillah para Drihee.

— Hã? Lillillah? Aconteceu alguma coisa?

— Não! Era para te avisar que estamos quase chegando.

— Entendi. Bom dia! — disse Drihee se espreguiçando.

— Bom dia? Por que bom dia? Não sabemos se teremos um bom dia — questionou Lillillah, confusa.

— É um cumprimento, eu acho — disse Drihee confuso e tentando se lembrar de algo.

— Chegamos! — disse Maigriyah se aproximando com Mortrazha.

Eles se equiparam e desembarcaram da USaM. Lillillah foi à frente e seguiu até a única habitação do local. Ela entrou cautelosamente e os outros a acompanharam, olhando para todos os lados, com atenção.

A habitação parecia não ter ninguém. Lillillah viu em cima de uma mesa a mesma caixa em que estava seu Ikihatsunukishi. Ela pegou e dentro tinha um dispositivo eletrônico. O mesmo se ativou sozinho e mostrou um holograma com uma coordenada. Maigriyah, surpresa, aproximou-se.

— Esse lugar parece familiar… AHHHH! — gritou Maigriyah se assustando com o robô drone, que apareceu de repente na sua frente.

— SAIAM JÁ DAÍ! VOCÊS FORAM CERCADOS PELOS HANKYTERS! — gritou Adritiff, desesperado.

Um disparo a laser acertou o robô drone, danificando-o seriamente. 

— ABAIXEM-SE! — ordenou Mortrazha se jogando no chão.

Todos se jogaram seguindo o instinto e diversos disparos vindos de todos os lados, destruía tudo. Quando os disparos cessaram, o robô drone, mesmo com falhas, se aproximou de Lillillah.

— Vou distraí-los lá fora e me autodestruir. Aproveitem para fugir — disse Adritiff.

— Tudo bem! Eu entro em contat…

— Nããããooo use meios de comunicação convencionais. Vou rastreá-los. Esperem que eu entre em contato de uma forma segura. Façam de tudo para saírem dessa. Usem o poder de vocês. Se forem capturados por eles, tenho quase certeza que não poderei fazer na—da p–or vo—c…

— O que houve? Adritiff? Adri…?

A comunicação começou a falhar. O robô drone saiu da residência e de repente os disparos voltaram. Logo em seguida uma forte explosão fez o chão tremer.

— AGORAAAA! VAMOS POR AQUI! — gritou Lillillah.

Todos se levantaram de forma desesperada e a seguiram. Eles saíram pelos fundos. Drihee foi o último a sair e parou pensativo. Ninguém percebeu que ele havia ficado para trás. Drihee se lembrou de uma discussão que teve com uma mulher que parecia ser bem próxima a ele. Seu coração apertou e um sentimento de desespero para conseguir saber quem era ela, tomou conta dele.

Um disparo acertou sua perna.

— AHHH! — gritou Drihee se contorcendo de dor.

— Atrás! Peguei um — disse um Hankyter pelo comunicador.

Outro Hankyter se aproximou dizendo:

— Deixe-o comigo. Vá atrás dos outros.

— Afirmativo.

Drihee pegou seu Ikihatsunukishi, ativou e apontou para o Hankyter. Eles ficaram se encarando, quando de repente um jato de água acertou o Hankyter. Lillillah correu até Drihee e o ajudou a fugir dali. Ela acionou a USaM por comando à distância e a levou para perto deles. Maigriyah e Mortrazha, aproximaram-se e todos entraram na USaM

Vários Hankyters correram na direção deles.

— NÃO VAMOS CONSEGUIR FUGIR! SÃO MUITOS! — gritou Mortrazha.

Antes de eles decolarem, Drihee, com o pensamento em fúria, por não ter conseguido lembrar de onde era a mulher em seu pensamento, apontou o seu Ikihatsunukishi para os Hankyters e lançou uma rajada de fogo neles. Os inimigos se dispersaram tentando escapar da labareda que consumia tudo.

Eles decolaram e fugiram em alta velocidade. Encontraram um lugar com uma floresta densa e se esconderam.

— Essa foi por pouco — disse Drihee.

Todos olharam para ele ao mesmo tempo.

— O que faremos agora? — questionou Mortrazha. — Temos que descobrir por que eles estão atrás da gente.

— Hankyters, são caçadores sem lei. Eles recebem serviços de diversas outras TERRAS e invadem qualquer lugar como espiões. Eles matam ou sequestram sem sentimento de culpa. Só existem para executarem as missões obscuras pelas quais são pagos. Não consegui investigar muito a respeito, mas acredito que eles façam serviços para a TERRA CENTRAL — disse Maigriyah, pensativa.

— Possível! Eu não confio na TERRA CENTRAL — disse Mortrazha.

— Antes de sermos atacados, você disse alguma coisa do lugar que vimos no holograma. Que lugar é esse? Precisamos ir até lá para sabermos o que houve com a filha de Mistrunihik — disse Lillillah, preocupada, enquanto cuidava do ferimento de Drihee.

— É um lugar remoto ao sul. Teríamos que atravessar o oceano ou seguir pela TERRA CENTRAL até chegar lá — disse Maigriyah.

— Estou lembrando que você comentou que esse lugar era familiar. Por que? — perguntou Lillillah.

— Eu e meu pai já fomos lá investigar sobre um possível local, onde poderia ter escritos antigos que relatam muitos fatos históricos de Nairin. Uma biblioteca perdida, mas quando chegamos lá não encontramos nada. Coincidência a coordenada do holograma indicar para lá — disse Maigriyah, pensativa.

— Vamos lá investigar. Precisamos saber o que houve com Ninitrik — disse Lillillah, terminando os curativos em Drihee.

— Mas e a missão que meu pai nos deixou? Temos que ir até a coordenada que ele nos deixou. Já desviamos o foco até aqui e quase fomos capturados. Temos que seguir o que ele falou para investigarmos — questionou Maigriyah.

— Acho melhor seguirmos o que ela disse. Se formos até esse lugar remoto do holograma, pode ser que caiamos em alguma armadilha. Não sabemos quem deixou esse holograma lá — disse Mortrazha .

Lillillah ficou pensativa com o comentário dele. Ela ficou dividida com as opiniões, mas a sua prioridade era encontrar Ninitrik, filha de Mistrunihik. Quando Lillillah ia falar algo…

— Eu me distraí e acabei me ferindo, mas enquanto eu e Lillillah tivermos nossos Ikihatsunukishi, acho que poderemos enfrentar esses tal de Hankyaters. Se essa menina a qual viemos procurar foi capturada. Vamos resgatá-la! — disse Drihee, querendo mostrar confiança.

Lillillah olhou nos olhos dele e sorriu.

— Mesmo vocês sendo Ikihatsunukishisen, se forem pegos pela TERRA CENTRAL, sofrerão. Eles têm poder para destruí-los, sem esforços — disse Mortrazha.

— Concordo com você, mas vamos atrás de Ninitrik primeiro. Vamos com cautela. Se não a encontrarmos, voltamos e seguimos até a coordenada que o senhor Hirahtray nos passou — disse Lillillah olhando para Maigriyah.

Elas sorriram uma para outra. Mortrazha pareceu ficar insatisfeito, mas não questionou. Maigriyah preparou uma rota segura até a coordenada do holograma e logo depois de um tempo, eles partiram.

 

***

 

— Vamos apagar esse fogo para não chamarmos atenção e não deixarmos rastros significativos — disse um dos Hankyaters para outros deles.

O Hankyater que foi atacado por Lillillah, se afastou dos outros e entrou em contato com seu superior.

— Eles fugiram, mas a missão está sob controle. A USaM está sendo rastreada e eles devem seguir as coordenadas. Farei de tudo para que os Ikihatsunukishisen não saiam do nosso objetivo.

4.7
Rated 4.7 out of 5
4.7 out of 5 stars (based on 12 reviews)
Excelente67%
Muito bom33%
Média0%
Ruim0%
Muito ruim0%

Ótimo início.

Rated 5 out of 5
29 de outubro de 2022

Adorei como o autor escreve e como é dinâmico os acontecimentos do livro.

O primeiro capítulo ficou ótimo.

Sullivan

Bom Ate

Rated 4 out of 5
18 de agosto de 2020

Ate o Momento esta bem legal nao tenho costume de ler mas este esta me mantendo

Marcelo

Fácil

Rated 4 out of 5
17 de agosto de 2020

Muito fácil de ler e entender

Eudimar

CAPÍTULOS